SIGA-ME NO GOOGLE+ BADGE

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

MAMÃE TAMBÉM PARTIU

FALANDO DE SAUDADES


MAMÃE RAIMUNDA BAENA DE JESUS

A RAIMUNDINHA TAMBÉM PARTIU PARA A MORADA CELESTE


(* 30/08/1944  + 07/09/2015)


MEU PAPAI ALDEMAR DE JESUS FOI-SE ANO PASSADO


  (*26/05/1944  + 12/11/2014)


EU E MEUS SEIS IRMÃOS FICAMOS ÓRFÃOS


DE PAI E DE MÃE EM NOVE MESES E ALGUNS DIAS

AS LEMBRANÇAS E A SAUDADE FICARAM PARA SEMPRE.


ELES VIVEM NA ETERNIDADE. EU CREIO.






A FOTOGRAFIA ACIMA FOI TIRADA NOS SEUS 71 ANINHOS
AINDA NO HOSPITAL.







quinta-feira, 19 de março de 2015

CREDO DAS MULHERES










CREDO DAS MULHERES




Somos fêmeas humanas, enfrentando um novo milênio.

Somos a maioria da nossa espécie, e apesar disso,
muitas ainda vivem nas sombras...
Somos as invisíveis, as analfabetas, as trabalhadoras, as refugiadas, as pobres.
E declaramos: nunca mais.
Somos as mulheres que tem fome, de arroz, de moradia, de liberdade.

Somos às que tem sede, de água clara, de risos, de conhecimentos, de amor.
Existimos sempre, em todas as sociedades.
Sobrevivemos ao feminicídio.
Fomos rebeldes e deixamos marcas.

Somos, cada uma de nós, valiosas, únicas, necessárias.
Somos  fortes e sagradas, aliviadas por não termos que ser sempre iguais. Somos as filhas do desejo. As mães que dão a luz, as políticas do século XXI.

Trabalhamos durante décadas para assinalar o detalhe de nossa necessidade, nossa ira, nossas esperanças e visões. Rompemos o silêncio e esgotamos nossa paciência. Estamos cansadas de inventariar nossos sofrimentos, de divertirmos ou de sermos simplesmente ignoradas. Estamos fartas de palavras vagas e esperas concretas; famintas de ação, dignidade, alegria. Pretendemos mais que persistir e sobreviver.

Durante milênios tivemos a responsabilidade sem poder... enquanto os homens tiveram poder sem responsabilidades. Àqueles homens que se arriscam a ser nossos irmãos, nós lhes oferecemos equilíbrio, um futuro, uma mão amiga. Mas, com ou sem eles, seguiremos adiante.

Estamos no umbral de um noivo milênio, às nossas costas só ruínas, não há mapas para o futuro; o sabor do medo, em nossas línguas.

Apesar de tudo, saltaremos.

Pão. Um céu límpido. Uma voz de mulher cantando em algum lugar. A ferida cicatrizada, o filho desejado, o prisioneiro libertado, a integridade do corpo honrada, o amante regressando. O trabalho igualitário, justo e valorizado. Nenhuma mão  levantada em outro gesto que não seja a saudação. Interiores seguros - do coração, do lar, da terra. E em toda parte risos, carinho, celebração, danças, satisfação. Um paraíso terreno e humilde, agora.

Vamos torná-lo realidade, nosso mundo: faremos políticas, histórias, paz. E o tornaremos disponível. Faremos a diferença, faremos amor, irreverências, contatos, faremos o milagre.

Somos as mulheres que transformarão o mundo.

(São trechos da declaração surgida no encontro "Estratégia das Mulheres para 1995" em Copenhagem, Beijin e mais Além - Nova York, de 29 de novembro a 2 de dezembro de 1994, organizado por MEDO - Mulheres, Meio Ambiente e Desenvolvimento - Traduzido por Beatriz Cannabrava)

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

FOI ASSIM








VISITE-ME EM:

http://www.madalenadejesus.prosaeverso.net/


Foi Assim

Chico Buarque 

de Lupicínio Rodrigues


Foi assim
Eu tinha alguém
Que comigo morava
Mas tinha um defeito
que brigava
Embora com razão
Ou sem razão

Encontrei um dia
uma pessoa diferente
Que me tratava carinhosamente
Dizendo resolver minha questão
Mas não
Foi assim
Troquei essa pessoa 
que eu morava
Por essa criatura que eu julgava
Pudesse compreender
 todo o meu eu

Mas no fim
Fiquei na mesma coisa em que estava
Porque a criatura que eu sonhava
Não faz aquilo que me prometeu
Não sei se é meu destino
Não sei se é meu azar
Mas tenho que viver brigando
Todos no mundo
Encontram seu par
Por que só eu vivo
Trocando?
Se deixo de alguém
Por falta de carinho
Por brigar e outras coisas mais
Quem aparece no meu caminho
Tem os defeitos iguais.

terça-feira, 28 de outubro de 2014

ARREPENDIDA












 ARREPENDIDA


A INFANTE DESPEDIDA

DESPERTOU GRANDE RECEIO

DE QUEDAR ENTRISTECIDA

ESPEROU PELO CONTATO QUE

INFELIZMENTE  NÃO VEIO

HONRADO FICOU O CONTRATO

E ESPEROU PELA INSISTÊNCIA

PARA ENCONTRAR UM MEIO

DE OFERECER SUA DESISTÊNCIA.






SONETO DO VERSO TRISTE













SONETO DO VERSO TRISTE


Vim fazer meu triste verso chorar 
Pois desta vez a dor é mais latente
Pelo papai que está muito doente
As lágrimas insistem em brotar...
Sei que devemos ter fé; suportar
Todo dissabor que assola inclemente
Imploro que o papai venha urgente
Pegar logo o seu violão e cantar...
Sei também que ele é colono forte
Há de afastar o bafejo da morte
Que disfarçante, ronda sorrateira...
Porém, Deus tem seu plano lança a sorte
Só Ele mostrará qual nosso norte
D’ Ele a decisão da'ora derradeira...


Madalena de Jesus







quarta-feira, 4 de junho de 2014

AO MEU AMADO PAI




AO MEU AMADO PAI




              Hoje é um dia de Ação de Graças, por ser uma data muito importante, no dia 26 de maio de 1944 chegou a esta nave mãe terra o Aldemar de Jesus. É dia de alegria porque é o aniversário do meu amado pai. Há setenta anos atrás ele chegou a este mundo e eu agradeço imensamente a Deus pela vida do papai e pela honra que eu tenho em ser sua filha.


               Meu pai é filho de colonos, um homem simples e muito honrado e soube dar uma educação exemplar para os seus sete filhos; cinco Marias e dois Josés. Tem muita fé e uma serenidade impressionante.

             Não tem ambição na vida e ama a sua pequena terra do interior de Peixe Boi, município do Pará. Veio para a capital estudar, onde conheceu mamãe, conseguiu concluir o ensino médio, não chegou a cursar o nível superior  mas na faculdade da vida só tira nota mil. Eu, aliás, nós todos da família, o amamos demais mais que demais.

               Além de ter trabalhado no campo, já foi vendedor ambulante, taxista, jardineiro, vigilante, hoje está aposentado pelo município. O seu maior talento é no campo musical, toca de ouvido, gaita, flauta, violão, cavaquinho, dentre outros instrumentos musicais. Pertenceu ao grupo de carimbó denominado 'OURICURI", hoje é do Grupo "Cantos da Terra" tem suas próprias composições e canta, principalmente no ritmo do carimbó.

          Das canções de sua autoria as que eu mais gosto é '' FILHO DE IRACI' e 'EU TENHO SETE FILHOS'. Vou destacar um trecho da primeira aqui citada:
          'Eu amo a minha terra, minha terra onde nasci, sou caboclo da colônia sou filho de Iraci"... Ele quase sempre me emociona.

          No próximo final de semana, mais precisamente no sábado DE 31 de maio de 2014, viajaremos à terrinha e faremos a comemoração desta data junto com o papai. Eu, os meus irmãos, os netos e os bisnetos dele estaremos lhe preparando uma bonita surpresa, recheada é claro, por um montão de parentes, amigos e muita música, principalmente o gostoso carimbó.

          Finalmente, encerro estas linhas com uma oração ao papai do céu:

          Meu papai do céu, por favor, cuida do meu paizinho "Ademazinho'. Conduza sempre ele por um bom caminho. Que ele prossiga cantando e encantando, com saúde,  com paz, com harmonia, com amigos fiéis, enfim Senhor, dê tudo de infinitamente bom, para um bem viver, ao meu pai. Ele diz que só o que ele quer é saúde e paz, é a pura verdade e Tu meu Senhor sabes, que ele não tem nenhuma ambição. Ele só quer ser feliz, nem é tanto assim, por misericórdia meu Senhor, conceda-lhe estas bênçãos. Amém!


     
Madalena de Jesus



terça-feira, 29 de abril de 2014

SONETO DA ESPERA ALUCINANTE




SONETO DA ESPERA ALUCINANTE

Seu velejador partiu além mar
Seus dias parecem intermináveis
As lágrimas caem incontroláveis
Tão ansiosa ela está a esperar...
E como sonâmbula vai ao cais
Lançar sobre o mar seu lânguido olhar
Não foi marcado quando ele iria chegar
É assaz a espera e sofridos seus ais
O vento cortante afia a saudade
O frio dentro d'alma congela a dor
Gélida; soluça a infelicidade...
E assim, vê raiar o clarão do dia
Com o sol vislumbrou o vulto do amor
Realidade ou efêmera fantasia?


(Achei por bem inserir o poema abaixo da figura,
 para alguns momentos, em que a imagem
 não consiga ser visualizada. 
E o link abaixo, é da minha página 
no Recanto das Letras. Visite-me!?
Madalena de Jesus)







sábado, 19 de abril de 2014

PARABÉNS JOSÉ AUGUSTO





PARABÉNS JOSÉ AUGUSTO


Por ser teu aniversário hoje, eu não poderia deixar de "acrosticar"
A tua chegada marcou profundamente a história das cinco Marias
Rezávamos, ríamos e chorávamos de alegria ao chegares em casa
Agora lembro e revivo o momento, todas nós queríamos te embalar
Bebê bastante esperado, pois se não fosse menino, nada de operar
É isso mesmo, antes era desse jeito, simples assim; e você chegou.
Numa família pobre; em meio de gente digna e nobre. Você reinou!
Só faltava mesmo você para completar a magnitude de nosso lar.

José! "Bendito fruto entre as mulheres"! Genioso, manhoso, virtuoso,
Ontem um jovem 'arretado';  ante ontem uma criança muito levada,
Sendo hoje um pai de família respeitado. Um homem maravilhoso!
É 'maninho' - assim todos o chamam - Você cresceu! Você é grande!

A vida passa tão veloz...Nossos co-criadores - nossos avós, morreram
Um a um, de seus tres filhos e mais tua bela esposa. Quanto cresceram!
Gosto de lembrar teus passos com a sacrificante aprovação aos Correios
Uma inconteste vitória em cima de tantas dificuldades, isso não tem preço
Sabes ter um comando familiar exemplar e então só podes nos orgulhar
Todos que convivem contigo, que te conhecem, jamais poderão negar
Os teus modos, ainda que possam parecer o contrário, são por muito amar!


Madalena de Jesus


(Mano, a você, uma singela homenagem, desta irmã que tanto te ama!)

quarta-feira, 16 de abril de 2014

FELIZ PASCOA!




FELIZ PÁSCOA

Páscoa é um momento de parar e refletir sobre o amor, é enxergar quem precisa de ajuda, é praticar a ressurreição, não só na própria vida, como também levar esta ressurreição à vida de quem precisa.
 Páscoa é renascimento, recomeço, ressurreição, retomada; é uma renovada caminhada onde deverá ficar em alta a certeza de um futuro repleto de realizações, esperando que o amor inunde o coração dos homens.

 Páscoa é dizer sim ao amor e a vida; é investir na fraternidade, é lutar por um mundo melhor, é vivenciar a solidariedade.




Páscoa é momento simbólico que nos lembra que tudo pode ser melhorado. É momento de união, de parar para refletir, de ver a vida diferente, de ver gente como a gente. JESUS morreu e ressuscitou para mostrar ao mundo o verdadeiro sentido da VIDA.



Desejo uma Feliz Páscoa a todos, com muita paz, saúde e união, e que independente de opção religiosa, os ensinamentos e exemplos de Cristo sirvam para refletirmos, no sentido de nos tornarmos pessoas cada vez e sempre melhores.




Madalena de Jesus


quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

SE EU FOSSE UM PADRE




(Se eu fosse um Padre gostaria de ser como eles...)


Se eu fosse um padre





Se eu fosse um padre, eu, nos meus sermões,

não falaria em Deus nem no Pecado

— muito menos no Anjo Rebelado

e os encantos das suas seduções,



não citaria santos e profetas:

nada das suas celestiais promessas

ou das suas terríveis maldições...

Se eu fosse um padre eu citaria os poetas,



Rezaria seus versos, os mais belos,

desses que desde a infância me embalaram

e quem me dera que alguns fossem meus!



Porque a poesia purifica a alma

...e um belo poema — ainda que de Deus se aparte —

um belo poema sempre leva a Deus!




Mário Quintana

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

FELIZ ANO NOVO!



FELIZ

ANO

NOVO!


VENHA

ME DÊ

PRAZER


ASSIM

MESMO

BEM BOM


GOSTO

DE BIS

VEM SIM


NÃO SE

NEGUE

AMOR


BEIJO

SABOR

DOCE


VINHO

TAMBÉM

GOSTO


SORVE

OUTRO

GOLE



SORRI

TODA

PLENA



SENTE

QUE VOU

ROMPER



FELIZ

ANO

NOVO!






SÃO OS VOTOS DA MADALENA DE JESUS

PARA TODOS VOCÊS MEUS 

QUERIDOS LEITORES


FAÇAM DE TUDO PARA SE ENCONTRAREM
 COM O AMOR E A ALEGRIA SEMPRE.
 VIVAM PLENAMENTE O DIA A DIA,
 PROCURANDO TOMAR O CUIDADO
 DE NÃO MACHUCAR NINGUÉM,
 E DESEJANDO QUE TODOS 
SINTAM O ÁPICE DA FELICIDADE. 

A TODOS VOCÊ, SEM EXCEÇÃO EU DESEJO, 
PLENITUDE DE ALEGRIA E CARINHO UNIVERSAL, 
MUITA PAZ, MUITA LUZ, MUITA SAÚDE, 
MUITA PROSPERIDADE, MUITA AMIZADE, 
MUITO TUDO DE BOM...

FELIZ ANO NOVO!


MADALENA DE JESUS

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

FELIZ NATAL!







FELIZ  NATAL!!!



Festejemos o Nascimento de Jesus!
Ele só quer um berço no nosso coração
Levemos ao altar do Senhor nossa oferta
Infelizmente, muitos fazem uma inversão
Adoram ao capeta! Zombam do profeta
Noite que deve ser para reflexão e oração
alguns agem só para seu bel prazer.
Tânatos em vida! Escolha a sua sorte.
O amanhã a Deus pertence;
mas tem o além morte
para louvar ou ranger dente.
 Qual a tua decisão?


Madalena de Jesus




Meditei sobre o Livre Arbítrio! Lembrei de uma canção que ouvi dos meus avós desde criancinha e hoje; eu quase cinquentenária, penso e sinto-a tão forte dentro de mim. Há ensinamentos que marcam. Há decisões decisivas (óbvio que o pleonasmo é proposital), marcantes e que determinam nosso modo de agir. Palavras se espalham, umas caem em terra fértil. O exemplo, Ah! Esse arrasta! Eu vi; não só nos programas televisivos e emotivos. Eu vi ao vivo e em cores (Ou era em preto e branco?) Uma kombi... Pessoas sem lar, sem família, sem ceia! Doações de comida, agasalhos, palavras de conforto. Eu procuro ser como um passarinho que leva água no bico, e de gota em gota tenta apagar o incêndio! E Você?

Eis para você a Divina e imorredoura canção do Padre Zezinho.



SE OUVIRES A VOZ DO VENTO CHAMANDO SEM CESSAR
SE OUVIRES A VOZ DO TEMPO MANDANDO ESPERAR.

A DECISÃO É TUA. A DECISÃO É TUA.
SÃO MUITOS OS CONVIDADOS
QUASE NINGUÉM TEM TEMPO. (BIS)

SE OUVIRES A VOZ DE DEUS CHAMANDO SEM CESSAR.
SE OUVIRES A VOZ DO MUNDO QUERENDO TE ENGANAR.

A DECISÃO É TUA. A DECISÃO É TUA.
SÃO MUITOS OS CONVIDADOS
QUASE NINGUÉM TEM TEMPO. (BIS)

O TRIGO JÁ SE PERDEU. MORREU NINGUÉM COLHEU.
E O MUNDO PASSANDO FOME. PASSANDO FOME DE DEUS.

A DECISÃO É TUA. A DECISÃO É TUA.
SÃO MUITOS OS CONVIDADOS
QUASE NINGUÉM TEM TEMPO. (BIS)



http://www.recantodasletras.com.br/acrosticos/4624261

domingo, 8 de dezembro de 2013

A VIDA TRÁGICA DE FRANÇOIS VILLON



A VIDA TRÁGICA DE FRANÇOIS VILLON
A história trágica de um grande poeta da França do Séc. XVI.
François Villon envolveu-se no mundo do crime, era chamado de moço triste e mau; alegre e louco. Foi o mais hábil larápio de Paris e um grande Poeta da França. Acusado de vis crimes e autor de belas canções. Uma estranha combinação de bestialidade e de sublimidade!
Aos 20 anos já era mestre já era mestre em surrupiar bolsas de dinheiro dos transeuntes, aos 25 anos assassinou um padre, aos 30 era chefe de quadrilha de bandidos. Contudo, durante todo esse tempo escreveu poemas que ficaram gravados na memória e no coração do universo.
Aos 12 anos François tornou-se discípulo de um caridoso padre chamado Villon. Ele adotou o nome de seu protetor e começou a glorificá-lo com sua poesia e ao mesmo tenpo infelicitá-lo com seu vergonhoso procedimento. O bom padre conseguiu ensinar-lhe a cultuar a beleza literária, mas nunca pode corrigi-lo e levá-lo a praticar a honestidade.
O padre Villon, pai adotivo, o enviou para um bom colégio na certeza de recuperar seu filho adotivo, mas o jovem evitou a sociedade dos seus companheiros de estudo, escolhendo o mundo do crime e juntando-se a confraria dos ladrões.
Tornou-se Poeta laureado deles. Quando qualquer deles era condenado à forca, Villon consolava-os com poemas de surpreendente beleza e zombaria. (...)
Na véspera de Natal, do ano de 1465, assaltou o colégio Navarro, conseguiu fugir para Orléans mas foi agarrado. Duas vezes foi condenado à morte escapando graças a interferências de amigos, entre eles, a Princesa de Orléans, que era apaixonada por suas obras.
Enquanto estava na prisão, seu pensamento florescia no poema do grande testamento. è um poema extraordinário, percorrendo toda a distância que separa os charcos das estrelas.
Este foi um pouquinho do relato da vida trágica de François Montorbier Villon, relato esse que encontrei em "Caminhos  do Escritor de Manuel Azevedo". Deleitemo-nos com o primeiro trecho do "RONDÓ" traduzido por Carlos Drummond de Andrade.
RONDÓ
Tu, que me  levaste
 a amante
Dar-me-ás castigo
incessante
Se me deixares com vida.
Sem ela já não sou forte.
Que te fez minha querida,
a Morte?